Comentários
Raimundo Nonato de Miranda Chaves

Esta página ocupa uma posição central e liga-se a diversas outras páginas. Estas são arquivos que contêm mapas e planilhas – estatísticas – e que são mantidas na forma original; portanto, não há, na programação das páginas um link de retorno. Faz-se, então, o retorno clicando sobre a seta branca, incluída no círculo azul, posicionada no canto superior esquerdo da página.

Os mapas e planilhas foram compilados pelo Professor José Moreira de Souza quando elaborava o Plano Diretor do Município de Gouveia. Antes de apresenta-los, permitam-me usar o gancho: Plano Diretor; para fazer os comentários que se seguem:

José Moreira de Souza, sociólogo e historiador – como diz Adilson Nascimento – respira Gouveia 24 horas por dia, é experimentado estudioso de Planos Diretores, tendo participado da elaboração de diversos; especialmente, como membro de equipe especializada da Fundação João Pinheiro. Atualmente, José Moreira está envolvido com a Região Metropolitana de Belo Horizonte – RMBH. Neste caso, há um diferencial, com incremento de dificuldade, por se tratar de Plano Diretor Participativo. Os Municípios devem incluir mecanismos que assegurem sua inserção em ambiente metropolitano. Tal inserção exige instrumentos que favoreçam um desenvolvimento regional preocupado em solucionar os problemas que se estendem ao nível supramunicipal.

Envolvimentos do professor, para citar apenas os acontecimentos de maio/2009:

  • Apresentou-se como Conferencista convidado, na reunião de dirigentes – primeiro escalão administrativo – dos municípios da RMBH;
  • Convidado pela SEDRU - Secretaria de Estado de Desenvolvimento Urbano de Minas Gerais para ocupar o cargo de Gerente de Planejamento da Agência de Planejamento da Região Metropolitana de Belo Horizonte.
Este José Moreira de Souza que agigantou-se nos estudos de Planos Diretores Municipais, de competência e dedicação reconhecidas também em Gouveia, onde foi agraciado, em dezembro último, com a Medalha Alexandre Mascarenhas, no grau mais elevado; é o mesmo gouveiano modesto conhecido como Zé de Flora que envolveu a Equipe da Fundação João Pinheiro e elaborou, graciosamente, o Plano Diretor do Município de Gouveia.
Referido Plano Diretor, entregue à Administração Municipal, permanece, aparentemente, esquecido; pois não se tem noticias dele.

Tabela 1 - Sínteses de conteudo e links para as páginas de Estatísticas e Mapas

Síntese do conteúdo link
Repasse dos valores de ICMS E IPI/Exportação aos municípios - Ano 2008. Classificado por mes e por município e ainda subdividido pelos critérios: Educação, Meio Ambiente, Patrimônio e Cultura, Saúde percapita. Dados da Fundação João Pinheiro Repasse de ICMS e IPI
IDH - Índice de Desenvolvimento Humano - comparativo dos anos 1991/2000, dos municipios da região de Gouveia. Apresentação númerica e gráfica e considerando os critérios: educação, longevidade, renda e tota também dados comparativos das populações dos municípios considerados. IDH comparativo
Dados comparativos dos Municípios da Região de Gouveia - IBGE, último censo demográfico por amostragem - inclui informações sobre saude, educação, empresas, finanças, frota, agricultura ... Dados comparativos de municipios
Perfil de Gouveia: população e domicílios, censo agropecuario, produto interno bruto, serviços de saude morbidez-hospitalar, ensino-matrículas, estatísticas do registro civil, estrutura empresarial... Perfil de Gouveia
PIB, comparação entre os municipios da região, inclui PIB total e percapita, com apresenações: gráficas e numéricas. PIB comparado
Mapa do Municipio de Gouveia, com identificação das localidades Mapa do Municipio
Mapa Hidrografico do Municipio de Gouveia Hidrografia

Gouveia – Sempre Viva, publicação; parte: Plano de ação e parte: Relatório dando conta de feitos do Prefeito Geraldo Bitencourt e sua equipe de governo. A publicação abrangendo o período de 1983 a 1988 é um marco na administração púbica do município. Então, conhecendo a situação de 25 anos atrás, um bom exercício, é fazer comparação com a situação atual e tentar identificar o que e quanto alterou, especificamente, na atividade agropecuária e no modo de vida da população rural.
Uma das metas do trabalho, do Prefeito Bitencourt, é o Apoio ao Desenvolvimento da Zona Rural do Município; de outro lado,um dos focos no site da AFAGO é a área Rural de Gouveia. Portanto, há uma convergência de interesses, e, os comentários que aqui são colocados referem-se, exclusivamente, a esta Zona Rural.
O estudo comparativo da situação de 25 anos passados com a situação atual merece uma atenção especial do governo do município, mesmo para dar continuidade às linhas de ação que deram certo e ajustar ou redirecionar as que falharam. Estudo, que demanda metodologia adequada envolvendo a coleta e análise de dados, a comparação com a situação passada, a formulação do diagnóstico, e, o planejamento de ações:

Nas 115 páginas do relatório, de forma clara e objetiva, caracteriza-se o diagnóstico dos problemas, definem-se os objetivos e as metas de curto e médio prazos, elabora-se o plano de ação e, ainda, mostram-se resultados, porquanto, o relatório abrange um período de seis anos.
Em relação ao Programa de Apoio e Aparelhamento da Zona Rural, segundo o modelo adotado, dividiu-se o Município em oito regiões, com tamanho variável, sem rigidez em sua delimitação, porque a própria dinâmica do trabalho proposto deveria firmar esses Centros e definir suas áreas de influencia.
Centros de Irradiação -
  1. V.A.Mascarenhas: CEMIG, Cafundós,Catarina dos Couras,
    Riacho dos Ventos e Capivara;)
  2. Camilinho: Cedro, Arrozal e Contagem;
  3. água Parada: Onça, Tigre e Feijoal;
  4. Ribeirão de Areia: Capoeira Grande, Capoeira do Alto,
    água Limpa e Ribeirão;
  5. Pedro Pereira: Espinho, Ponte Izabel e Córrego Cachoeira;
  6. Engenho da Bilia: Engenho da Raquel, Espadeiro e Veludo;
  7. Ribibiu: Picada;
  8. Cuiabá: Rio Grande, Chapadinha, Barão de Guaicuí,
    Caxambu e Bucaina
assim são denominadas e exercem influencia sobre outras pequenas povoações que foram denominadas Núcleos Comunitários. Relação nominal dos Centros e Núcleos? passe o mouse
O diagnóstico realizado em 1983, portanto, há 25 anos atrás, para ser visto, com detalhes, encaminha-se o internauta para a publicação Gouveia - Sempre Viva.Uma síntese dos objetivos e metas pode ser vista na página Gouveia Sempre Viva Deve-se ter em mente que qualquer projeto implantado, sempre, sofre desvio da direção traçada; por que, há incerteza ao se fazer as previsões. Daí, a necessidade de se fazer retroalimentação do sistema, reavaliar os objetivos e metas e/ou adequar o plano de ações.
No caso em questão, zona rural de Gouveia, supondo conhecida a situação presente e disponibilizando a descrição da situação passada, tem-se os ingredientes para reflexão: a situação mudou? onde? quanto?
A proposição anterior é um incentivo ao internauta a refletir sobre os problemas do Município, e, é uma questão proposta à Administração Pública. Proporcionar Apoio e promover o Desenvolvimento da Zona Rural; seja adequando o programa proposto na publicação Gouveia sempre viva, seja implantando novos programas.
Algumas observações, que devem ser confirmadas e quantificadas, que influenciam a situação presente, vista em comparação com a situação de 25 anos passados, referem-se à ações de governo, nas esferas: nacional, estadual e municipal.
Na área do goveno federal salientam-se ações ou programas nas áreas seguintes: O governo estadual desenvolve ações pontuais como o programa E ações contínuas, vale citar: O governo municipal promoveu alteração significativa na administração do espaço físico das escolas. Antes, pequenas escolas dispersas, algumas fechadas e, hoje, a concentração em menor número de unidades escolares. As escolas na zona rural são: Centenas de estudantes são transportados, diariamente, para as unidades escolares citadas, á esta atividade do governo municipal deve-se acrescer o transporte subsidiado de estudantes do ensino médio para a E.E. Joviano de Aguiar – única escola do 2o grau no município.
Atividade do governo municipal, diferente do passado, é o apoio ao pequeno produtor de hortaliças, fornecendo o transporte semanal, gratuito, para a Feira do Produtor.
Além da ações de governo, faz diferença entre as duas épocas consideradas, ação do produtor rural. Apesar do negativismo, da desconfiança e da inércia, o produtor rural tem evoluído. A evolução, embora lenta, pode ser evidenciada pela absorção de tecnologias, vale citar algumas técnicas adotadas, infelizmente, por pequeno número de produtores, mas que certamente, servirão de exemplo para os demais. Tudo isto parece estimulante, mas as dificuldades são grandes: