Congraçamento 2011 - Sitio Nossa Casa

Retornar

Comentários de
Raimundo Nonato de Miranda Chaves

A recepção dos irmãos Miranda, no dia 17 de setembro, aconteceu num ambiente de muita alegria, descontração e congraçamento. Crianças se divertindo na piscina e adultos tricotando na varanda. Isto é muito bom para as pessoas que se rejuvenescem que atualizam as informações que se recuperam do estresse. Isto é muito bom para a Afago que se sente mais forte, mais unida e com mais disposição para buscar a sua consolidação.
A reunião ocorreu no sitio Nossa Casa, propriedade de Manoel Luiz Ferreira de Miranda, diretor jurídico da Afago. Os anfitriões: Manoel e Milton estavam em todos os lugares servindo cortesia e cerveja. Milton acompanhado da esposa Lili e Manoel compareceu au grand complet, como diziam ao colunistas sociais. A atenciosa esposa Zélia e os filhos: cardiologista Cristiano; Karina, braço direito de Manoel na Contabilidade Miranda, acompanhada de Waldeir, o pretendente; Zuleica com o marido Cleibe e Cauã.
Cauã é um caso a parte, instrumentista e cantor, no violão faria Dilermando Reis amarelar. Eu até decidi fazer uma quadrinha:
Astro da TV Globo
É o cantor Luan
Mas ele não é páreo
para o garoto Cauã.

Muitos clãs de Gouveia se fizeram representar: Cleuber, do clã dos Monteiro, com a esposa; Adilson e Irany, o Xerife, dos Nascimento, ambos com esposas, filhos, agregados e netos; Irene e Ilda dos Vieira; Izabel, dos Fagundes; José Moreira, dos Moreira de Souza; Em tempo, Moreira se fez acompanhar de suas três damas: a esposa Adélia, a filha Nicia e a netinha (vejam a foto no bosque); Guido Araujo, dos Araujo do Espadeiro, se encontrou com antigo professor da Veterinária: Jadir da tribo dos Ferreira de Miranda, acompanhado da esposa Heloneide e de uma bela garrafa de “Johnnie Walker”; Geraldo da Consolação, dos Miranda de Camilinho, também com suas três damas: a esposa Diva, as irmãs: Terezinha e Hildinha (suplente do Conselho Fiscal).
Miranda, em abundância: tinha Ferreira de Miranda e Oliveira de Miranda; Tinha Miranda Chaves e Chaves que não é Miranda; Tinha Miranda Ribas e Ribas que não é Miranda.
Ribas, também, representavam duas tribos: Miranda Ribas e Almeida Ribas que, juntando aos Brum do Rio Grande do Sul formaram uma terceira tribo os Brum Ribas. Haroldo, com Yara e o filho, acadêmico de medicina, orgulho do pai. Neste caso, Haroldo decidiu: Se tem o filho para dirigir, então vou tomar todas! Em tempo, representam, os três, o clã dos Miranda Ribas e o clã dos Pequi.
Os Chaves, também, estavam lá. de um lado: Ana Angélica, filha de Hermano Chaves, freqüentadora assídua de nossas reuniões, com a filha Neife e o pretendente; e, eu mesmo, representando o clã de João Baiano. Geraldo Augusto, neto de Augusto Filomena ou de Filomena, acompanhado de dona Dodô – a senhora simpatia, e mais filhos, agregados e netos formando com dona Dodô quatro gerações, todos afagueanos. Dona Dodô, também, é freqüentadora assídua das reuniões e estava presente na cerimônia de inauguração da Sala Doutor Waldir de Almeida Ribas.
Agora, o clã dos Gomes Pereira, ramificação Efigênio. Lá estava o trio: Lucigênio, o homem show. Ele sozinho faz a festa. Escolha o instrumento e/ou a música e ele executa com maestria. Luciano, o dançarino, tendo Lucíola como partner brilhou. Melhor, brilharam ambos. Estão se preparando para o próximo programa do Faustão – a dança dos famosos. Para ser mais preciso Luciano, também, dançou com uma moça muito elegante num longo preto, do clã de dona Dodô. Estamos concentrados em Gouveia, mas muitos convivas tinham origens diferentes: Dona Elena Berenice e dona Irene Brum naturais do Rio Grande do Sul, antes falavam Tche! E, agora, Uai!
Origens mais distantes? Tinha.
Brasileiras, incorporadas à Afago, mas filhas de pais de origem árabe: Lili esposa de Milton; Adélia esposa de José Moreira e Neife filha de Ana Angélica Chaves.
Deixando de lado esta atitude de cronista social, dos tempos de Ibraim Sued e Jacinto de Thormes e assumindo a posição de presidente da Afago. Como tal, registro três pequenas mensagens
  1. Para os irmãos Miranda que Guido, em boa hora, denominou: Os Super Miranda – A recepção que vocês ofereceram aos associados da Afago foi extraordinária, fiquei feliz, mas não surpreso, porque já os conheço, desde crianças, no glorioso Camilinho. Sei que a família é obcecada pela idéia da perfeição. Muito obrigado, em nome da Afago, pelo financiamento e principalmente pela organização e cortesia com que nos receberam.
  2. Para os associados, familiares e amigos que compareceram e abrilhantaram a recepção dos irmãos Miranda – A presença alegre e amiga de vocês demonstra que a Afago está viva, forte e confiante nos seus destinos. Este apoio às iniciativas da direção é muito importante porque nos estimula e nos fortalece para a luta. Muito obrigado, em nome da Diretoria da Afago.
  3. Para os associados que não responderam a nosso convite para a reunião de congraçamento - Eu redigi texto da carta-convite e enviei, por correio eletrônico, para mais de quarenta associados. Imprimi o mesmo texto, multipliquei e postei no correio tradicional, para vinte e sete associados dos quais não conheço o endereço eletrônico. Então, em relação a este ato, os associados formaram três grupos: Os que compareceram à recepção; os que não compareceram, mas se justificaram e se desculparam; e, finalmente, o terceiro grupo que não deu a mínima para o convite. Ora, são pessoas conhecidas, gente que os menos aquinhoados denominam de “bacana”, gente de sangue azul da nobreza de Gouveia. Acostumados a dar recepção e para elas imprimem convites, letras douradas rebuscadas onde se lê R.S.V.P., mas quando recebem o convite não se dão conta da importância do “Répondez s’il vou plait”.
    De lado a língua francesa e no bom português – esta atitude é uma tremenda falta de consideração para não dizer pior. Para terminar, seguindo a orientação do cronista esportivo, bola murcha para este tipo de atitude.

As fotos

O Clipe