Comunidade do Espinho

Retornar

Comentários
Raimundo Nonato de Miranda Chaves

Quando projetei este site, dois anos atrás, estabeleci, como um dos objetivos, a valorização das comunidades rurais; informando sobre a história, os hábitos e costumes do povo, as escolas as tradições e as festas.
Eu dispunha de informações sobre as comunidades de Camilinho, Água Parada e Tigre. Utilizei alguma matéria dos arquivos da Secretaria Municipal de Cultura e escrevi sobre Barão de Guaicui, Cuiabá e Espinho. Para escrever sobre a Vila Alexandre Mascarenhas eu contei com inestimável ajuda da professora Rosilene Miranda Leite, da Escola Estadual Ciro Ribas.
Agora, o site fica enriquecido com trabalhos sobre Espinho, Engenho da Bilia e Engenho da Raquel.
Para registro, o material, agora dado a público, foi produzido graças ao incentivo e a dedicação do professor João Patrick, supervisor da E.M. João Baiano e da E.M.Zezé Ribas. eu tive o prazer de conhecer o professor João Patrick na Escola de Camilinho, onde mantivemos agradável conversa sobre divulgação dos trabalhos realizados nas escolas do município. João Patrick prometeu e, algum tempo depois, entregou-me textos impressos, DVD e CDs gravados que me permitiram extrair a matéria que torno disponível ao internauta.
Tudo isto foi gerado, oficialmente, sob o patrocínio da Escola Municipal Profa. Zezé Ribas dirigida pela professora Adriana, sob a supervisão de João Patrick; criou-se ali o projeto Valorização da Cultura Histórica do Município.
O trabalho, envolvendo professores e estudantes, ficou assim dividido:

O trabalho de digitalização, com scanner, de cópia Xerox, prejudica a apresentação, mas é cópia fiel do original; devo salientar o elogiável trabalho do professor Lúcio Antônio Rodrigues orientando os alunos.
O texto de 20 páginas, contem informações sobre o nascimento da comunidade, a origem da E.M.Neco Cinqüenta, os meios de sustentabilidade, as festas religiosas e culturais, as crenças e culturas, as comidas típicas e os causos e mitos; Veja o texto completo em Espinho – texto.
As fotos, são muitas, impraticável reuni-las num só clipe filme. O grupamento delas em diferentes clipe filmes são de minha responsabilidade. Estou, no entanto, à disposição para fazer necessários ajustes, desde que sejam indicados na página de mensagens deste site. Segue a lista de clipe filmes e dois pequenos filmes caseiros.
  1. Apresentação da dança das fitas pelos caboclinhos, em homenagem aos ancestrais, denominados Kobuclinhos. Neste clipe filme eu incorporei fotos de belezas naturais e artificiais como o belo caramanchão de bouganvillea Veja o clipe filme Espinho – kobuclinhos.
  2. A escola do Espinho, oficialmente, E.M. Neco Cinqüenta. Os estudantes do clipe filme são da E.M.Profa. Zezé Ribas, da comunidade de Pedro Pereira. Eles, sob a orientação do professor Lúcio, são os responsáveis pelo texto, ver no parágrafo anterior. Neste clipe filme eu juntei algumas fotos de crianças e de estudantes adultos e o denominei Espinho - juventude
  3. A delicia do Espinho, alias, de toda Minas Gerais é o famoso pão de queijo. Então, imagina você sentado num banquinho na boca do forno, com um pote de manteiga e um bule de café e acesse Espinho – Pão de Queijo.
  4. Agora, comemorando o reconhecimento da comunidade do Espinho como remanescentes de quilombos, contando com a presença do diretor da Federação Mineira de Quilombolas, do prefeito municipal, do presidente da Câmara Municipal, da Secretária Municipal de Educação e de outras autoridades de Gouveia, apresento o clipe filme da reunião. Veja em Espinho – Quilombola.
  5. Aqui, um clipe filme histórico. A história da comunidade contada pelos equipamentos, utensílios. e apetrechos. O famoso samburá de palha de milho; banquetas com assento de palha de milho torcida, tamanho natural e miniaturas; Cuscuzeira; Engenhoca ou escarçador; pilão; balaio de taquara; carumbé; forno de biscoito; oratório; quarta e meia quarta para medir grãos e farináceos; carrinho de bode; casa de roda ou casa de farinha, detalhes: prensa, forno e o famoso parafuso de erguer a enorme peça de madeira sobre a prensa; forno de lenha e casa de duzentos anos. Veja em Espinho – Costumes
  6. Este e o item seguinte se referem a dois pequenos filmes caseiros. Pode ser, que ao serem acessados, o monitor mostre apenas uma imagem congelada. O programa instalado no seu PC não consegue abrir o arquivo. Neste caso, recomendo o download do programa Media Player Classic.
    O filme, de apenas 24 segundos, mostra um estudante socando alguma coisa no pilão de madeira. Veja em Espinho – Pilão Obs.: o nome do programa a ser aberto EspinhoPilao.AVI
  7. O filme mostra, em 90 segundos, alunos moendo cana na Engenhoca e recebendo incentivo das alunas. Veja em Espinho - Engenhoca Obs>: o nome do programa a ser aberto EspinhoEngenhoca.AVI
  8. Para informações sobre comunidades vizinhas: Engenho da Bilia e Engenho da Raquel, acesse clicando aqui
  9. Outras informações sobre Espinho, inclusive, Resumo e Conclusões de dissertação de mestrado de Carolina Dias de Oliveira, Clique aqui