Associação Comunitária Ama Barão Guaicui

Retornar


Claudia - Associação Comunitária Ama Barão Guaicui
amabarao@yahoo.com.br escreveu:


Em 20 de março de 2010 09:43, A todos moradores e amigos de Barão e de toda a região.
Barão está vivendo sérios problemas, tais como:
  1. Cercamento de terrenos sem nenhum planejamento;
  2. Entupimento e esgotamento da Estação de Tratamento de Esgoto (essa estação foi planejada para um número muito pequeno de moradores e a comunidade vem crescendo sem nenhum planejamento e acompanhamento do Poder Público;
  3. Lixo espalhado pela localidade, cachoeira e rios; lixões na entrada da cidade;
  4. Não há ninguém designado pela Prefeitura para se responzabilizar pela limpeza, recolhimento do lixo e manuntenção do povoado
  5. A abertura de nova estrada, (se é que realmente aconteceu isso), aumentará todos esses problemas, além da segurança dos moradores do povoado. Vale lembrar que um morador de Barão, cujas terras ficam nas proximidades da antiga estrada que ligava Barão a Cuiabá, deixou de dar manutenção nessa via devido ao lixo na estrada, e aos visitantes indesejáveis, vindos não se sabe de onde.
  6. Caso essa estrada fique na região da Apa o problema assume importância bem maiores.
Alex Mendes Santos - Caminhos da Serra e SCBH do Paraúna
alexambiente@gmail.com escreveu:
  1. A área está dentro da Apam Barão - Capivara o que gera restrições de uso e ocupação do solo.
  2. A questão da ligação Barão - Cuiabá - Gouveia por esta via, foi muito questionada, pelos objetivos que foram traçados para a o Projeto Trilha da Maria Fumaça: Andar - Pedalar - Cavalgar - Turismo não motorizado.
  3. O trecho da antiga estrada ferroviária está sobre guarda do DNIT - IPHAN e vem sendo por nós discutido com promotores do estado e procuradores da união, um conflito não seria positivo para nossas pretenções de um turismo sustentável que vem sendo proposto.
  4. Disponibilizo-me para averiguação local do que está ocorrendo e participação em reuniões para discussão do assunto.
Frank Alison de Carvalho - Analista Ambiental (Eng. Civil) SUPRAM JEQUITINHONHA
frank.carvalho@meioambiente.mg.gov.br escreveu:


Sobre a via de acesso que está informando relato que não estou sabendo do assunto. Relato na oportunidade que a intervenção especificamente no leito estradal existente não é passível de regularização, agora, caso seja necessária a ampliação da plataforma, supressão de vegetação, intervenção em recursos hídricos e aplicação de minerais, aí sim o empreendedor deverá procurar a regularização. Caso tenha outras informações favor relatar. Na oportunidade sugiro fazer uma denúncia diretamente com a SUPRAM ou PMMG para que seja realizada vistoria.

Na oportunidade acrescento às informações acima prestadas naquele dia a seguinte opinião pessoal sobre a ocorrência das inconveniências em Barão. Me desculpe se for um pouco ao cerne da questão mas vai aí a minha visão.
Era uma vez um distrito bem pequenino, no meio do caminho entre Diamantina e Gouveia, fácil de ser acessado e com coisas que proporcionam a ida das pessoas ao local, tais como água limpa, beleza natural, povo receptivo, comidinha gostosa e tudo mais, porém sem as infra-estruturas básicas necessárias para receber este povo todo. Estes mesmos que lá iam por lazer perceberam a possibilidade de comprar uma terrinha baratinha, pertinho do rio. Um compra daqui, o outro compra de lá e derrepente todas as propriedades foram compradas. As boas estradas proporcionaram o transporte de material de construção e assim todos foram construindo e construído. Casas de apenas um pavimento já não atendiam às necessidades do que construíram, pois tem que ganhar o que gastaram, vendendo alguma parte. Veja aí a ganância e o egoísmo. Estes mesmos que construíram despreocupados com o tratamento de efluentes e demais resíduos executaram fossas negras pensando ser a melhor solução, isto é, quando não direcionam os efluentes diretamente para os cursos d'água, coitados, mau sabem eles que estas águas alimentam vidas lá para baixo. E seus resíduos que trazem das compras feitas em Gouveia e Diamantina, estas não retornam para as suas respectivas cidades, são destinadas inadequadamente às margens das vias de acesso, quando não nos fundos de quintais ou às margens dos rios. Questiono o seguinte, estas coisas já tinham sido previstas em conversas que tive com alguns dos moradores daquele lindo lugar que se representaram à prefeitura. Danado meu caro. Penso cá comigo, se a prefeitura foi acionada, cadê os fiscais das secretaria de obras e de meio ambiente? Cadê o planejamento de uso e ocupação do solo? O outro lado da história poderia ter ocorrido se aquele local tivesse um planejamento de crescimento para que o meio pudesse suportar as residências então limitadas. Lamento, a moeda já foi lançada, agora é esperar de que lado ela vi cair. Esqueci, já sabemos de que lado ela vai cair, vai cair com a degradação do meio com a perda de um bocado de coisas lindas do local. Tiremos a ganância dos nossos corações e lancemos a mão na moeda para que possamos tentar pelo menos dar uma corrigida na sua trajetória. Vejo esta estrada aí que vocês estão falando como um facilitador de degradação, pois se proporciona o homem chegar em determinado local, com ele chegará a sua ganância e vontade de degradar. Veja aí o estudo de impactos ambientais de determinadas atividades, tais como estradas e loteamento. Planejar é preciso e com muita consciência. Acredito ser conveniente chamar todos os envolvidos e tentar lhes falar que é necessário manter a vida de todas as suas formas. Intervir é necessário para crescer, porém meu caro, com consciência. PLANEJEM para não reclamarem no futuro.
Fico sentido com o ocorrido, mesmo assim me coloco a disposição no que for necessário e possível para que as coisas saiam da melhor forma o possível, desde que seja na prática e fora daquele blábláblá de políticos.

Professor José Moreira de Souza - Afago
josemoreira@superig.com.br, escreveu

Cinco anos atrás, menos um mes, eu mostrei, durante o 9o. Fórum Estadual de Turismo a apresentação

RELATóRIO REUNIãO:

Local: Prefeitura Municipal de Gouveia
Data: 14.04.2010
Participantes: Pauta Reunião: Ações Comunidade Barão de Guaicui

Objetivo: Discussão problemas apontados pela Caminhos da Serra e Ama Barão que estão ocorrendo na comunidade do Barão de Guaicui, motivados pela expansão urbana em virtude do turismo desordenado. E proposição de ações e parcerias para possíveis soluções dos problemas apontados.

Ações Definidas:

Ação Responsável Prazo Máximo Execução
Seleção de Funcionário local para trabalhos gerais. ONG Ama Barão Dentro 30 dias
Cronograma de trabalho para funcionário a ser contratado pela Prefeitura Gouveia. ONG Ama Barão Dentro 30 dias
Verificação da legalidade de criar um plano diretor para a localidade. Prefeito Gouveia Dentro 30 dias
Reunião com Cônego Paulo averiguar titularidade das propriedades fechadas ao redor da Igreja local. Prefeito Gouveia e Caminhos da Serra Dentro 15 dias
Reunião com Promotor Enéias sobre invasões de propriedades RFFSA e Igreja. Prefeito Gouveia e Caminhos da Serra Após reunião com Cônego Paulo.
Elaborar Projeto Estrada Parque no trecho do antigo ramal no território Gouveia. Contato com a ONG Instituto Secretaria Cultura, ONG Ama Barão e Caminhos da Serra Contato dentro de 15 dias. Projeto a definir prazo.
Definir local para construção de módulo escolar para atendimento localidade. Prefeito Gouveia, ONG Ama Barão e Caminhos da Serra Após reunião com Cônego Paulo.
Retirada de lixo da comunidade, jogado em local indevido Prefeitura Municipal Dentro 30 dias
Manutenção na Estação Tratamento de Esgoto. Funcionário a ser contratado Após contratação funcionário.
Seminário sobre Trilha Parque Diamantina Monjolos Caminhos da Serra e Secretaria Cultura Dentro 30 dias
Plano de Educação e Informação a moradores e visitantes. Secretária Cultura, ONG Ama Barão e Caminhos da Serra Dentro 30 dias


Relator: Alex Mendes Santos Caminhos da Serra.
Gouveia 14 de abril de 2010.