São Sebastião do Tigre
04/11/2012

Retornar

Texto, fotos e organização do clipe: Raimundo Nonato de Miranda Chaves

Quatro de novembro, 14:00 horas, a Capela de São Sebastião do Tigre que permanecera fechada durante quatro anos abre-se para receber os fieis. Aquele cheiro de coisa limpa, aquele ambiente de indescritível alegria na fisionomia dos ruralistas depois da chuvinha criadeira da noite anterior, a terra ainda úmida depois de meses de seca inclemente.
A capelinha cuidada por Maria Mendes, sob a vigilância de Helena Chaves, parecia não comportar a todos. Presente a nobreza do meio rural: capitaneada pelo engenheiro Ronaldo com a esposa Beatriz e a filha Adriane, proprietários da fazenda do Tigre; Sebastião dos Santos, da Fazenda Três Rios e que acaba de adquirir o Rancho Redenção, acrescentando mais uma joia à sua coroa; Helder Chaves Moura, com a irmã Zenilia, das fazendas Capivara, Galheiro, Sobrado e outras, classificando por área de propriedades rurais, ainda é o maior do município.
Presente os anciãos, dali e das comunidades vizinhas: logo no primeiro banco, Pedro Teles com a esposa Maria; José Américo com Otália; à esquerda, João Batista com o filho Geraldo e esposa; à direita, José Antônio dos Santos e dona Carminha com os filhos: Marcilio e Maria. E, outros: Izupério Fernandes Chaves, esposa e os filhos Perinho e Rogerinho com as respectivas famílias; Zico com a esposa Helena – Ministra da Eucaristia e os filhos: Cristiano, Beatriz e Rute com as respectivas famílias; Amélia Chaves Mendes vindo especialmente de Curvelo, com os filhos Eng. Carlos Mauricio e Adriana com o esposo Cláudio, estes de Belo Horizonte; Alice Mendes com o filho Jurandir.
Muitas outras famílias das comunidades vizinhas: Geraldo Alves e a filha Natalícia; Maria do Rosário, mãe do padre Darlan; José Mendes esposa e filha, também, o irmão Carlinhos; esposa e filha de Antônio das Rédeas; Xavier e a esposa Maria; Valmy de Pedro Mendes, a viúva de Guido Moura; Vander Rosa e a esposa Enia; Jésus Saraiva; João Batista, o acólito, acompanhado da mãe Maria Diva; todo o pessoal da fazenda do Tigre, liderados pelo administrador Marconi; Políticos, também, Sebastião de Chiquito. Presente, devo registrar, Ana Maria, minha esposa e companheira.
Cônego Paulo Franco fez a entrada solene, à sua frente os dois acólitos, ao som dos cânticos entoados por: Reginalda, Terezinha e Nilza, e, deu prosseguimento à Celebração da Eucaristia. O Reverendíssimo Cônego, piedoso, comentou e explicou, com competência e erudição, as Leituras e o Evangelho. Fez referencia àquela data em que a Igreja celebrava Todos os Santos. Em especial, aquele dia marcava, também, o final da reconstrução da murada do cemitério local, então, estimulou os fieis a refletir sobre a morte. Comentou sobre as Igrejas: Militante, Padecente e Gloriosa e frisou: A Morte é uma passagem da Igreja Militante pra a Igreja Padecente, para se atingir depois a Igreja Gloriosa. A Morte não é o fim. O túmulo é uma vírgula e não um ponto final.
Terminada a Celebração, Cônego Paulo, publicamente, agradeceu a mim, Raimundo Nonato, pelo convite que eu fiz a ele para Celebrar a Eucaristia na Capela de São Sebastião do Tigre. Confesso que fiquei emocionado. Depois disto ele seguiu para celebrar em Engenho da Raquel e eu falei, ali mesmo, na Capela, para aquele público, que me ouviu com muita atenção. Falei sobre o Cemitério, construído na década de 1860 e sua história até o dia quatro de novembro de 2012. E falei, também, sobre a história local, desde a Sesmaria da Mandaçaia, a primeira Carta de Sesmaria da região de Gouveia, passada em 1739 a João Batista Coelho, conforme nos ensina José Moreira de Souza. Salientei: Se a Fazenda Mandaçaia, antes de ser subdividida, teve uma sede, então a sede foi o Tigre, pelas construções, pelo cemitério, pela capela e pela Escola Estadual ali criada ainda em 1877.
Fomos todos, em seguida, ao Cemitério onde rezamos o terço e o Oficio de Nossa Senhora. Recebi muitos abraços e muito agradecimento por haver liderado os trabalhos de recuperação do Cemitério.

Veja o clipe Celebração e o Cemitério, antes e depois